Conexão África: O diário da Copa!

Placar da Copa

Eslovênia 0 x 1 Inglaterra
Estados Unidos 1 x 0 Argélia
Austrália 2 x 1 Sérvia
Gana 0 x 1 Alemanha
França 1 x 2 África
México 0 X 1 Uruguai
Grécia 0 x 2 Argentina
Nigéria 2 X 2 Coreia do Sul

Países que já garantiram vaga para próxima fase da Copa
GRUPO A
Uruguai
México

GRUPO B
Argentina
Coreia do Sul

GRUPO C
EUA
Inglaterra

GRUPO D
Alemanha
Gana

Extras
Robben evita comparações com Messi Robben deve finalmente jogar na Copa do Mundo de 2010. Recuperado de lesão na coxa esquerda, o atacante pode atuar alguns minutos contra Camarões e sua presença na Holanda é considerada por muitos torcedores de grande importância para o time.
Grande estrela da seleção, Robben teve uma grande temporada pelo Bayern de Munique e sonha, em breve, ser escolhido o melhor jogador do mundo. Mas, por enquanto, ele quer evitar comparações com o argentino Messi, que detém o posto e é grande candidato para este ano também.
– A comparação com Messi não vale. Permitam-me primeiro jogar. E depois vamos ver. O que eu quero é ser o melhor. Eu sei que eu posso, mas não vamos exagerar – afirmou Robben ao site do jornal holandês “De Telegraaf.”
Depois de gol, Palermo sonha mais alto: ‘Troco tudo por levantar a taça’

Um pouco de insônia. Esse foi o preço do sonho realizado por Martín Palermo, nesta terça-feira. Instruído por Maradona a “definir o jogo” diante da seleção da Grécia, o veterano atacante, de 36 anos, entrou em campo com apenas dez minutos para o apito final e marcou o segundo gol da vitória argentina por 2 a 0. Apesar da alegria e do que considera ter sido um momento ainda mais importante em sua carreira que o gol heroico sobre o Peru nas eliminatórias, o jogador, que disputa sua primeira Copa do Mundo, diz que ainda falta muito para que possa considerar cumprida sua missão na África do Sul. Os hermanos encaram a seleção mexicana, no domingo, às 15h30m (de Brasília), pelas oitavas de final.
– Troco tudo por levantar a taça – declarou, em entrevista coletiva, nesta quarta.
Com o ótimo desempenho de sua seleção na primeira fase – três vitórias, em três jogos – Palermo ressaltou a importância de voltar o pensamento para a sequência da competição.
– É preciso pensar no que está por vir. Tomara que venha algo mais. Mas ainda falta um longo caminho, e o objetivo é o dia 11 de julho. Temos que seguir avançando. Já estamos pensando no México.
Enquanto conta os dias e trabalha para levar a Argentina à final, o experiente jogador prefere não comentar as negociações para renovar com o Boca Juniors.
– Não é o momento de falar disso. Mas quero que respeitem minhas condições, que eles já conhecem – concluiu.

Após eliminação, Domenech se recusa a cumprimentar Parreira
Uma pequena polêmica marcou o fim de jogo entre França e África do Sul, que terminou com a vitória por 2 a 1 dos Bafana Bafana . O técnico brasileiro Carlos Alberto Parreira foi cumprimentar o francês Raymond Domenech, que se recusou a apertar a mão de Parreira. Irritado, o brasileiro chegou a agarrar Domenech, que se esquivou e evitou falar com Parreira. Já na entrevista coletiva, Parreira explicou o episódio.
– Não houve diálogo. Eu lamento muito o que aconteceu. Trabalhamos muito sob pressão e é questão de respeito o cumprimento no fim da partida. O auxiliar dele, pouco mais polido e mais educado, falou que eu comentei sobre o gol do Henry há um ano atrás. Eu não lembro de ter dito isso. Essa atitude mostra o porquê de ele (Domenech) não ser querido na França – disse Parreira.

Crise na seleção francesa vira caso de Estado

A crise na seleção francesa atingiu patamares inimagináveis. Chegou ao Estado. No fim da noite desta segunda-feira, a ministra francesa da Saúde e Esporte, Roselyne Barchelot, esteve em Bloemfontein e conversou com os jogadores franceses após o escândalo que tomou conta da equipe na Copa do Mundo. Mais do que isso: Barchelot garantiu que se trata de uma questão da imagem da pátria em jogo.
– O governo francês não intervém no esporte, salvo em caso que a reputação do país inteiro esteja em jogo, o que é o caso hoje. O futebol francês enfrenta um desastre. Não porque perdemos um jogo, mas porque esse desastre é moral. Vou realizar uma auditoria externa, por um escritório independente, de tudo que aconteceu nesta Copa do Mundo. Os jogadores serão consultados nessa auditoria – disse Barchelot.
A mão de ferro do goveno francês diante da crise não para por aí. A ministra falou um pouco da conversa que teve com os jogadores e confessou que alguns chegaram a chorar ao serem indagados sobre como querem ser lembrados no futuro. Apesar da emoção, Roselyne Barchelot disse que anunciou medidas profundas no esporte francês, como a assinatura de um compromisso de ética antes de convocações para competições oficiais.
– Agora quero que em cada competição internacional, na Eurocopa ou na Copa do Mundo, quero que um compromisso de ética seja alvo de uma leitura solene e que cada jogador assine esse compromisso, que é algo que não aconteceu nesta Copa do Mundo. Quem não se comprometer com essa carta, é uma questão simples: não participará e não será selecionado – disse Roselyne Barchelot.

Árbitros da Copa treinam com vuvuzelas no sistema de som

Se o treinamento as seleções podem desfrutar de raros momentos de silêncio, os árbitros, nem isso. Como se não bastasse o fato de serem alvo de muitas hostilidades, os juízes que apitam as partidas da Copa do Mundo também precisam conviver com o barulho das vuvuzelas também durante o trabalho de preparação. Durante uma atividade realizada na Ondendaal High School, na cidade de Pretória, nesta segunda-feira, a Fifa incluiu o barulho das cornetas no sistema de som.
– O barulho das vuvuzelas é o maior obstáculo dos árbitros nesta Copa, mas estamos em igualdade de circunstâncias com os jogadores. Fazemos um trabalho diário de habituação a esse ruído, que é verdadeiramente ensurdecedor – admitiu o árbitro português Olegário Benquerença, ao site luso “Mais Futebol”.
O juiz, que apitou o jogo entre Japão e Camarões e está escalado para dirigir Nigéria x Coreia do Sul, garante que este fato não é um problema. Olegário Benquerença lembra que o som das vuvuzelas não diminui sua motivação por trabalhar pela primeira vez numa Copa do Mundo.
– Após os cinco minutos de jogo é igual a todos os outros. Até esquecemos o ambiente que nos rodeia. Antes disso, e sobretudo nos dez minutos anteriores a entrar em campo, é uma sensação única de estar ali, de ser visto pelo mundo inteiro. Um privilégio – destacou.
Durante o treinamento, os árbitros foram submetidos a diversas situações que podem acontecer nas partidas. A ideia era que os juízes reagissem com rapidez e precisão a lances controversos ou de difícil interpretação. O brasileiro Carlos Eugênio Simon participou da atividade.

Atletas

BOMBA: Kaká acusa jornalista de perseguição religiosa e nega dores no púbis Kaká mostrou nesta terça-feira que não está disposto a dar a outra face. Em entrevista coletiva, o jogador acusou Juca Kfouri, colunista da ‘Folha de S. Paulo’, de persegui-lo por motivos religiosos. O jornalista publicou, na semana passada, uma nota dizendo que o meia tem sérios problemas no púbis, tão graves que ameaçariam sua carreira. O recado foi dado após uma pergunta de André Kfouri, repórter de uma emissora brasileira e filho de Juca.
– Há algum tempo os canhões do teu pai têm me atingido, não para me criticar por motivos profissionais, mas por causa da minha fé em Jesus Cristo. Do mesmo jeito que eu respeito o Juca Kfouri como ateu, eu queria que ele me respeitasse por acreditar em Jesus Cristo. Milhões de pessoas acreditam em Jesus e ele precisa respeitar isso.
Sobre o problema no púbis, que o afastou de grande parte da temporada, Kaká disse estar recuperado.
– Sinto dores, mas não na região do púbis. Sinto dores como todos os outros jogadores sentem depois dos jogos. Não é algo que me atrapalhe – falou o meia.
O jogador, porém, se contradisse mais à frente. Perguntado se iria operar o local após a Copa, Kaká disse que não, mas deu a entender que realmente ainda sente o problema.
– Não penso nisso no momento, até porque a maioria dos médicos não aconselha uma cirurgia. É algo que vou pensar apenas depois da Copa, porque necessita de uma avaliação mais profunda
Kaká se apresentou para a Copa do Mundo com problema muscular na coxa esquerda. Antes disso, porém, conviveu com problema sério de pubalgia. Por sinal, foi essa lesão que impediu o meia de repetir no Real Madrid o mesmo desempenho do Milan.
Durante a preparação para a Copa do Mundo, nos amistosos contra Zimbábue e Tanzânia, Kaká esteve bem longe do ideal. Na estreia no Mundial, contra a Coreia do Norte, melhorou um pouco, mas seguiu aquém do esperado. Somente diante da Costa do Marfim é que a atuação do meia foi melhor, com assistências para os gols de Luis Fabiano e Elano.
– Minha recuperação está sendo ótima. Contra a Costa do Marfim já consegui dar umas arrancadas características, fazer jogadas mais rápidas e isso me deixa confortável dentro de campo – falou o camisa 10 do Brasil.
O problema é que por conta do cartão vermelho levado na partida com os africanos, Kaká está fora do duelo de sexta-feira contra Portugal, em Durban.

Publicado em junho 24, 2010, em conexão áfrica. Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: