Arquivo da categoria: Profissões. Qual Escolher?

ESTREIA: Profissões – Qual escolher? Engenharia de redes de comunicação, uma profissão diferente da ciência da comunicação da computação!

Alaercio Londe formou-se em Engenharia de Redes de Comunicação pela Universidade de Brasília – UnB, em 2005. Apesar do pouco de tempo de formado, já tem uma experiência invejável. Começou a trabalhar na própria universidade, onde foi Bolsista do ITI/CNPq na área de desenvolvimento de softwares (Assembly) para interfaces de comunicação Serial, Rádio Freqüência e Analógica/Digital para Sistemas em Chip (SoC). Na ocasião, publicou dois artigos, um como autor e outro como co-autor.
Depois, trabalhou na Presidência da República como engenheiro no projeto SIVAM/SIPAM – Sistema de Proteção da Amazônia. Atualmente, está no Ministério das Comunicações, como engenheiro de Infra-Estrutura num projeto (GESAC) que visa basicamente a inclusão digital em todo país, levando internet e VoIP via satélite e via terrestre para os municípios. Alaercio saiu de Minas, estado natal, para Brasília em busca de novas perspectivas e lá descobriu a Engenharia de Redes… O resto, ele mesmo conta.

Como você definiu sua escolha profissional e por que escolheu Engenharia  de Redes?

Sou do interior de Minas Gerais, Matutina. Lá, a informação sobre cursos e universidades nunca chegava direito e os alunos também não se interessavam. Eu estive nessa situação até completar o segundo grau em um curso técnico de contabilidade – o único que tinha. Sempre se ouvia que estudar era para ricos e que não adiantava tanto esforço para depois não ter emprego. Essa história me incomodava e foi então que me mudei para Brasília com o intuito de estudar mais.
Escolhi a engenharia quando estudava para o vestibular por achar que ela me ofereceria um conhecimento amplo, e isso é uma das coisas mais bonitas. Nós, engenheiros, temos uma formação multidisciplinar dando competência para trabalharmos em diversas áreas. Assim, não havia outra opção, tinha que dar certo…
Com essa visão escolhi Engenharia de Redes porque era e é um curso com grande amplitude em tecnologia, tudo que se fala hoje…  

Qual é o trabalho que o Engenheiro de Redes de Comunicação desenvolve?

Poderia enumerar uma dezena de funções exercidas por um Engenheiro de Redes porque depende muito da afinidade que cada aluno tem com algum ramo da tecnologia. A área de infra-estrutura (equipamentos de redes): projeto, instalação e programação, exemplo, roteadores, switchs, cabeamento estruturado; Sistemas operacionais de redes; Gerência de redes (Servidores, DNS, TCP/IP, Firewalls, DMZ, etc.); Telecomunicações: Satélites, TV digital, radiodifusão, telefonia móvel (celulares); Programação: estruturada (C, pascal, etc), orientada a objeto (java, etc). Enfim ser Engenheiro de Redes é ser Engenheiro de tecnologia, cabe a cada um seguir a sua afinidade. A minha é Redes de telecomunicações.

Qual é a base da formação desse profissional?

O curso de Redes da UnB possui uma base muito forte em matemática e física, mas computação é o essencial. A universidade não te ensina tudo sobre as tecnologias, ela te dá a base para que você possa entendê-las sozinho, isso é ser engenheiro: saber buscar o conhecimento.

Quais as habilidades e competências mais necessárias e desejáveis nesse profissional, além de uma boa formação? 

Posso dizer que o mais importante seja a curiosidade. O profissional tem que ter vontade de aprender. Ao longo da faculdade, tive colegas que fizeram alguns estágios voluntários, estes hoje se encontram muito bem.

A profissão tem características especiais, como horário, viagens, trabalhar isolado, ambiente fechado, etc?

A grande característica de Engenharia de Redes é a mobilidade: uma hora está em uma reunião para definir os rumos de um projeto, em outra está fazendo a configuração de um equipamento, depois fazendo um relatório de atividades…
Trabalhar isolado jamais!

Onde pode trabalhar o engenheiro de Redes e como está o mercado?

O trabalho do Engenheiro de Redes pode ser desenvolvido em empresas de Telecom e Redes, operadoras de telefonia (fixa e móvel) e empresas desenvolvedoras de softwares. Esse profissional pode ainda ser pesquisador ou trabalhar para o Governo.
O mercado está com grande empregabilidade, a UnB já formou mais de 200 engenheiros. Não conheço ninguém que esteja desempregado. Mas uma coisa é certa, qualificação em Engenharia de Redes é uma questão crucial, tem que ser bom na área que escolher.

O que há de comum e de diferente entre a Engenharia de Redes e a Ciência da Computação?

Um engenheiro de redes nunca será um cientista da computação e vice-versa. A ciência da computação prepara o profissional para ser um especialista em engenharia de software. Ele irá planejar um software desde os seus requisitos junto ao cliente até o produto final, que é o programa instalado e executando exatamente conforme o esperado. Estudar disciplinas de RUP (Rational Unified Process) e CMMI é apenas o começo.
Redes é infra-estrutura, controle e transporte de pacotes e sinais. Redes se relaciona a equipamentos e dinâmica. Ciências da Computação é Software em sentido amplo. Entretanto, isso não significa que não exista profissionais com uma formação trabalhando na área do outro. Tem gente muito qualificada!

Quais as expectativas salariais?

Posso dizer que todo mundo começa trabalhando muito. Depois de quatro anos o salário gira, em torno de R$ 5.000,00. Uma dica é sempre estar ligado na tendência do mercado, que costuma mudar, geralmente, a cada cinco anos. Quem acerta está com tudo!!!
Quais as especializações possíveis e as mais cobiçadas?
Não acho que exista uma especialização melhor que outra, o importante é fazer uma especialização que esteja acrescentando conhecimento na área escolhida. Se você está trabalhando em uma empresa de telefonia móvel, deve se especializar em comunicações móveis. Contudo, segurança de redes é sempre uma área boa.

Fonte

http://www.igeduca.com.br/vestibular/profissionais-de-sucesso/engenharia-de-redes-de-comunicacao-uma-profissao-diferente-da-ciencia-da-computacao.html  

ESTREIA: Profissões – Qual escolher? Engenharia de redes de comunicação, uma profissão diferente da ciência da comunicação da computação!

Alaercio Londe formou-se em Engenharia de Redes de Comunicação pela Universidade de Brasília – UnB, em 2005. Apesar do pouco de tempo de formado, já tem uma experiência invejável. Começou a trabalhar na própria universidade, onde foi Bolsista do ITI/CNPq na área de desenvolvimento de softwares (Assembly) para interfaces de comunicação Serial, Rádio Freqüência e Analógica/Digital para Sistemas em Chip (SoC). Na ocasião, publicou dois artigos, um como autor e outro como co-autor.
Depois, trabalhou na Presidência da República como engenheiro no projeto SIVAM/SIPAM – Sistema de Proteção da Amazônia. Atualmente, está no Ministério das Comunicações, como engenheiro de Infra-Estrutura num projeto (GESAC) que visa basicamente a inclusão digital em todo país, levando internet e VoIP via satélite e via terrestre para os municípios. Alaercio saiu de Minas, estado natal, para Brasília em busca de novas perspectivas e lá descobriu a Engenharia de Redes… O resto, ele mesmo conta.

Como você definiu sua escolha profissional e por que escolheu Engenharia  de Redes?

Sou do interior de Minas Gerais, Matutina. Lá, a informação sobre cursos e universidades nunca chegava direito e os alunos também não se interessavam. Eu estive nessa situação até completar o segundo grau em um curso técnico de contabilidade – o único que tinha. Sempre se ouvia que estudar era para ricos e que não adiantava tanto esforço para depois não ter emprego. Essa história me incomodava e foi então que me mudei para Brasília com o intuito de estudar mais.
Escolhi a engenharia quando estudava para o vestibular por achar que ela me ofereceria um conhecimento amplo, e isso é uma das coisas mais bonitas. Nós, engenheiros, temos uma formação multidisciplinar dando competência para trabalharmos em diversas áreas. Assim, não havia outra opção, tinha que dar certo…
Com essa visão escolhi Engenharia de Redes porque era e é um curso com grande amplitude em tecnologia, tudo que se fala hoje…  

Qual é o trabalho que o Engenheiro de Redes de Comunicação desenvolve?

Poderia enumerar uma dezena de funções exercidas por um Engenheiro de Redes porque depende muito da afinidade que cada aluno tem com algum ramo da tecnologia. A área de infra-estrutura (equipamentos de redes): projeto, instalação e programação, exemplo, roteadores, switchs, cabeamento estruturado; Sistemas operacionais de redes; Gerência de redes (Servidores, DNS, TCP/IP, Firewalls, DMZ, etc.); Telecomunicações: Satélites, TV digital, radiodifusão, telefonia móvel (celulares); Programação: estruturada (C, pascal, etc), orientada a objeto (java, etc). Enfim ser Engenheiro de Redes é ser Engenheiro de tecnologia, cabe a cada um seguir a sua afinidade. A minha é Redes de telecomunicações.

Qual é a base da formação desse profissional?

O curso de Redes da UnB possui uma base muito forte em matemática e física, mas computação é o essencial. A universidade não te ensina tudo sobre as tecnologias, ela te dá a base para que você possa entendê-las sozinho, isso é ser engenheiro: saber buscar o conhecimento.

Quais as habilidades e competências mais necessárias e desejáveis nesse profissional, além de uma boa formação? 

Posso dizer que o mais importante seja a curiosidade. O profissional tem que ter vontade de aprender. Ao longo da faculdade, tive colegas que fizeram alguns estágios voluntários, estes hoje se encontram muito bem.

A profissão tem características especiais, como horário, viagens, trabalhar isolado, ambiente fechado, etc?

A grande característica de Engenharia de Redes é a mobilidade: uma hora está em uma reunião para definir os rumos de um projeto, em outra está fazendo a configuração de um equipamento, depois fazendo um relatório de atividades…
Trabalhar isolado jamais!

Onde pode trabalhar o engenheiro de Redes e como está o mercado?

O trabalho do Engenheiro de Redes pode ser desenvolvido em empresas de Telecom e Redes, operadoras de telefonia (fixa e móvel) e empresas desenvolvedoras de softwares. Esse profissional pode ainda ser pesquisador ou trabalhar para o Governo.
O mercado está com grande empregabilidade, a UnB já formou mais de 200 engenheiros. Não conheço ninguém que esteja desempregado. Mas uma coisa é certa, qualificação em Engenharia de Redes é uma questão crucial, tem que ser bom na área que escolher.

O que há de comum e de diferente entre a Engenharia de Redes e a Ciência da Computação?

Um engenheiro de redes nunca será um cientista da computação e vice-versa. A ciência da computação prepara o profissional para ser um especialista em engenharia de software. Ele irá planejar um software desde os seus requisitos junto ao cliente até o produto final, que é o programa instalado e executando exatamente conforme o esperado. Estudar disciplinas de RUP (Rational Unified Process) e CMMI é apenas o começo.
Redes é infra-estrutura, controle e transporte de pacotes e sinais. Redes se relaciona a equipamentos e dinâmica. Ciências da Computação é Software em sentido amplo. Entretanto, isso não significa que não exista profissionais com uma formação trabalhando na área do outro. Tem gente muito qualificada!

Quais as expectativas salariais?

Posso dizer que todo mundo começa trabalhando muito. Depois de quatro anos o salário gira, em torno de R$ 5.000,00. Uma dica é sempre estar ligado na tendência do mercado, que costuma mudar, geralmente, a cada cinco anos. Quem acerta está com tudo!!!
Quais as especializações possíveis e as mais cobiçadas?
Não acho que exista uma especialização melhor que outra, o importante é fazer uma especialização que esteja acrescentando conhecimento na área escolhida. Se você está trabalhando em uma empresa de telefonia móvel, deve se especializar em comunicações móveis. Contudo, segurança de redes é sempre uma área boa.

Fonte

http://www.igeduca.com.br/vestibular/profissionais-de-sucesso/engenharia-de-redes-de-comunicacao-uma-profissao-diferente-da-ciencia-da-computacao.html  

ESTREIA: Profissões – Qual escolher? Engenharia de redes de comunicação, uma profissão diferente da ciência da comunicação da computação!

Alaercio Londe formou-se em Engenharia de Redes de Comunicação pela Universidade de Brasília – UnB, em 2005. Apesar do pouco de tempo de formado, já tem uma experiência invejável. Começou a trabalhar na própria universidade, onde foi Bolsista do ITI/CNPq na área de desenvolvimento de softwares (Assembly) para interfaces de comunicação Serial, Rádio Freqüência e Analógica/Digital para Sistemas em Chip (SoC). Na ocasião, publicou dois artigos, um como autor e outro como co-autor.
Depois, trabalhou na Presidência da República como engenheiro no projeto SIVAM/SIPAM – Sistema de Proteção da Amazônia. Atualmente, está no Ministério das Comunicações, como engenheiro de Infra-Estrutura num projeto (GESAC) que visa basicamente a inclusão digital em todo país, levando internet e VoIP via satélite e via terrestre para os municípios. Alaercio saiu de Minas, estado natal, para Brasília em busca de novas perspectivas e lá descobriu a Engenharia de Redes… O resto, ele mesmo conta.

Como você definiu sua escolha profissional e por que escolheu Engenharia  de Redes?

Sou do interior de Minas Gerais, Matutina. Lá, a informação sobre cursos e universidades nunca chegava direito e os alunos também não se interessavam. Eu estive nessa situação até completar o segundo grau em um curso técnico de contabilidade – o único que tinha. Sempre se ouvia que estudar era para ricos e que não adiantava tanto esforço para depois não ter emprego. Essa história me incomodava e foi então que me mudei para Brasília com o intuito de estudar mais.
Escolhi a engenharia quando estudava para o vestibular por achar que ela me ofereceria um conhecimento amplo, e isso é uma das coisas mais bonitas. Nós, engenheiros, temos uma formação multidisciplinar dando competência para trabalharmos em diversas áreas. Assim, não havia outra opção, tinha que dar certo…
Com essa visão escolhi Engenharia de Redes porque era e é um curso com grande amplitude em tecnologia, tudo que se fala hoje…  

Qual é o trabalho que o Engenheiro de Redes de Comunicação desenvolve?

Poderia enumerar uma dezena de funções exercidas por um Engenheiro de Redes porque depende muito da afinidade que cada aluno tem com algum ramo da tecnologia. A área de infra-estrutura (equipamentos de redes): projeto, instalação e programação, exemplo, roteadores, switchs, cabeamento estruturado; Sistemas operacionais de redes; Gerência de redes (Servidores, DNS, TCP/IP, Firewalls, DMZ, etc.); Telecomunicações: Satélites, TV digital, radiodifusão, telefonia móvel (celulares); Programação: estruturada (C, pascal, etc), orientada a objeto (java, etc). Enfim ser Engenheiro de Redes é ser Engenheiro de tecnologia, cabe a cada um seguir a sua afinidade. A minha é Redes de telecomunicações.

Qual é a base da formação desse profissional?

O curso de Redes da UnB possui uma base muito forte em matemática e física, mas computação é o essencial. A universidade não te ensina tudo sobre as tecnologias, ela te dá a base para que você possa entendê-las sozinho, isso é ser engenheiro: saber buscar o conhecimento.

Quais as habilidades e competências mais necessárias e desejáveis nesse profissional, além de uma boa formação? 

Posso dizer que o mais importante seja a curiosidade. O profissional tem que ter vontade de aprender. Ao longo da faculdade, tive colegas que fizeram alguns estágios voluntários, estes hoje se encontram muito bem.

A profissão tem características especiais, como horário, viagens, trabalhar isolado, ambiente fechado, etc?

A grande característica de Engenharia de Redes é a mobilidade: uma hora está em uma reunião para definir os rumos de um projeto, em outra está fazendo a configuração de um equipamento, depois fazendo um relatório de atividades…
Trabalhar isolado jamais!

Onde pode trabalhar o engenheiro de Redes e como está o mercado?

O trabalho do Engenheiro de Redes pode ser desenvolvido em empresas de Telecom e Redes, operadoras de telefonia (fixa e móvel) e empresas desenvolvedoras de softwares. Esse profissional pode ainda ser pesquisador ou trabalhar para o Governo.
O mercado está com grande empregabilidade, a UnB já formou mais de 200 engenheiros. Não conheço ninguém que esteja desempregado. Mas uma coisa é certa, qualificação em Engenharia de Redes é uma questão crucial, tem que ser bom na área que escolher.

O que há de comum e de diferente entre a Engenharia de Redes e a Ciência da Computação?

Um engenheiro de redes nunca será um cientista da computação e vice-versa. A ciência da computação prepara o profissional para ser um especialista em engenharia de software. Ele irá planejar um software desde os seus requisitos junto ao cliente até o produto final, que é o programa instalado e executando exatamente conforme o esperado. Estudar disciplinas de RUP (Rational Unified Process) e CMMI é apenas o começo.
Redes é infra-estrutura, controle e transporte de pacotes e sinais. Redes se relaciona a equipamentos e dinâmica. Ciências da Computação é Software em sentido amplo. Entretanto, isso não significa que não exista profissionais com uma formação trabalhando na área do outro. Tem gente muito qualificada!

Quais as expectativas salariais?

Posso dizer que todo mundo começa trabalhando muito. Depois de quatro anos o salário gira, em torno de R$ 5.000,00. Uma dica é sempre estar ligado na tendência do mercado, que costuma mudar, geralmente, a cada cinco anos. Quem acerta está com tudo!!!
Quais as especializações possíveis e as mais cobiçadas?
Não acho que exista uma especialização melhor que outra, o importante é fazer uma especialização que esteja acrescentando conhecimento na área escolhida. Se você está trabalhando em uma empresa de telefonia móvel, deve se especializar em comunicações móveis. Contudo, segurança de redes é sempre uma área boa.

Fonte

http://www.igeduca.com.br/vestibular/profissionais-de-sucesso/engenharia-de-redes-de-comunicacao-uma-profissao-diferente-da-ciencia-da-computacao.html  

Vem aí a "Linha Plus", com a maior variedade de assuntos!

Suas tardes em 2012 virão recheadas de atrações. Um mix de ótimas opções estará disponível para você todos os dias, às 5 da tarde, a partir dessa segunda.
Confira abaixo como fica a programação:
Segunda, 16 de janeiro
No “Espaço Mulher”, nossa colunista Luciana Lopes mostra pra você tudo sobre o universo feminino. Maquiagem, cuidados com a pela, beleza e saúde. Você mulher não pode ficar de fora.
Terça, 17 de janeiro
Anda com dúvidas sobre qual profissão seguir? Luciana Lopes pode te ajudar. O título “Profissões: Qual escolher?” resume bem o objetivo dessa coluna.
Quarta, dia 18 de janeiro 
A música vai voltar com tudo em 2012. Várias de nossas colunas serão focadas no som que dá sentido às nossas vidas. O “Música VIP” tá aí pra isso, mas de uma forma diferente. Em sua 3ª temporada, sob o comando de Luís Henriq, você vai ficar por dentro de todas notícias do mundo da música.
Quinta, 19 de janeiro
Todo mundo quer conhecer a vida dos famosos e nada melhor que o “Estrelas da TV” para satisfazer essa vontade do leitor. Em sua 2ª temporada, sob o comando de Luís Henriq, a coluna vai te deixar por dentro de tudo que rola na vida do seu famoso favorito.
Sexta, 20 de janeiro
Que tal rever tudo o que “Passou na TV”? Ao contrário do que você está pensando, essa coluna não é um plágio do programa “Agora é Tarde”. Como você pode ver no logo acima, estamos na 3ª temporada. A ideia inicial foi nossa, rs.
Mas aqui, a cada semana, vamos relembrar programas que marcaram época e que foram fracasso na TV brasileira.
Sábado, 21 de janeiro 
Como o prório nome já diz, a cada semana, vamos colocar uma “Novela em Destaque”, mostrando detalhes da produção, cenas, curiosidades. É a 5ª temporada, comandada por Luís Henriq. O formato é tradicional e você já conhece!
Domingo, 22 de janeiro
 
Tá aí mais uma veterana. O “Momento Séries” anda com Luís Henriq desde seu início na blogosfera. A 5ª temporada continua no formato tradicional: a cada dia uma séries, com detalhes da produção, atores, curiosidades e é claro, um pedacinho do seriado para dar água na boca dos leitores.
É isso aí. A “Linha Plus” está na responsabilidade de Luciana Lopes e Luís Henriq.
Vale a pena conferir!

Vem aí a "Linha Plus", com a maior variedade de assuntos!

Suas tardes em 2012 virão recheadas de atrações. Um mix de ótimas opções estará disponível para você todos os dias, às 5 da tarde, a partir dessa segunda.
Confira abaixo como fica a programação:
Segunda, 16 de janeiro
No “Espaço Mulher”, nossa colunista Luciana Lopes mostra pra você tudo sobre o universo feminino. Maquiagem, cuidados com a pela, beleza e saúde. Você mulher não pode ficar de fora.
Terça, 17 de janeiro
Anda com dúvidas sobre qual profissão seguir? Luciana Lopes pode te ajudar. O título “Profissões: Qual escolher?” resume bem o objetivo dessa coluna.
Quarta, dia 18 de janeiro 
A música vai voltar com tudo em 2012. Várias de nossas colunas serão focadas no som que dá sentido às nossas vidas. O “Música VIP” tá aí pra isso, mas de uma forma diferente. Em sua 3ª temporada, sob o comando de Luís Henriq, você vai ficar por dentro de todas notícias do mundo da música.
Quinta, 19 de janeiro
Todo mundo quer conhecer a vida dos famosos e nada melhor que o “Estrelas da TV” para satisfazer essa vontade do leitor. Em sua 2ª temporada, sob o comando de Luís Henriq, a coluna vai te deixar por dentro de tudo que rola na vida do seu famoso favorito.
Sexta, 20 de janeiro
Que tal rever tudo o que “Passou na TV”? Ao contrário do que você está pensando, essa coluna não é um plágio do programa “Agora é Tarde”. Como você pode ver no logo acima, estamos na 3ª temporada. A ideia inicial foi nossa, rs.
Mas aqui, a cada semana, vamos relembrar programas que marcaram época e que foram fracasso na TV brasileira.
Sábado, 21 de janeiro 
Como o prório nome já diz, a cada semana, vamos colocar uma “Novela em Destaque”, mostrando detalhes da produção, cenas, curiosidades. É a 5ª temporada, comandada por Luís Henriq. O formato é tradicional e você já conhece!
Domingo, 22 de janeiro
 
Tá aí mais uma veterana. O “Momento Séries” anda com Luís Henriq desde seu início na blogosfera. A 5ª temporada continua no formato tradicional: a cada dia uma séries, com detalhes da produção, atores, curiosidades e é claro, um pedacinho do seriado para dar água na boca dos leitores.
É isso aí. A “Linha Plus” está na responsabilidade de Luciana Lopes e Luís Henriq.
Vale a pena conferir!