Arquivo da categoria: Toque de Deus

A Palavra Predileta de Paulo

A todos os que em Roma são amados de Deus e chamados para serem santos: A vocês, graça e paz da parte de Deus nosso Pai e do Senhor Jesus Cristo. Romanos 1:7

O apóstolo Paulo amava a palavra “graça”. Suas cartas geralmente começavam da mesma maneira que a Epístola aos Romanos: “A vocês, graça e paz da parte de Deus nosso Pai e do Senhor Jesus Cristo” (Rm 1:7). Para concluir as cartas, quase sempre escolhia palavras semelhantes, como as usadas para encerrar a epístola aos Coríntios: “A graça do Senhor Jesus seja com vocês” (1Co 16:23; ver 2Co 13:14; Gl 6:18; Ef 6:24; Fp 4:23; Cl 4:18; 1Ts 5:28; etc.).

Na verdade, Paulo se referiu à graça aproximadamente 100 vezes, muito mais do que qualquer outro escritor do Novo Testamento.
Por quê? Certamente porque Paulo mantinha sempre em mente o poder salvador de Deus em sua vida. Todo pecado é horrível, mas o de Paulo tinha uma característica que o separou da experiência dos primeiros cristãos. Paulo, antes conhecido como Saulo, perseguiu terrivelmente a igreja primitiva. Tomado pelo profundo desejo de zelar por aquilo que cria ser a verdade, canalizou todas as suas energias para aniquilar os odiados seguidores do Caminho. Invadiu a casa dos cristãos e arrastou homens e mulheres para a prisão.

Não satisfeito em combater o movimento em Jerusalém e nas áreas circunvizinhas, Paulo solicitou cartas de autorização ao sumo sacerdote para que pudesse atuar também em Damasco. As palavras de Lucas no livro de Atos nos ajudam a ter uma ideia do que se passava em seu coração: “Enquanto isso, Saulo ainda respirava ameaças de morte contra os discípulos do Senhor” (At 9:1).

A reputação de Saulo se espalhou rapidamente. Mesmo Ananias, discípulo fiel a quem Deus ordenou que fosse se encontrar com Saulo, relutou em encontrar-se com ele e atendê-lo em sua cegueira (v. 13).

Paulo nunca se esqueceu de onde foi resgatado. Chamou a si mesmo de o pior dos pecadores (1Tm 1:15) e “o menor dos apóstolos”, alguém indigno de ser chamado apóstolo por ter perseguido a igreja de Deus (1Co 15:9).

Mas Paulo também pôde escrever: “Mas, pela graça de Deus, sou o que sou, e Sua graça para comigo não foi inútil; antes, trabalhei mais do que todos eles; contudo, não eu, mas a graça de Deus comigo” (v. 10).

A graça fez a diferença para Paulo – em sua vida e em seu trabalho. Não é de admirar que essa tenha sido a sua palavra predileta.
Fonte: Rede Maranata

A Palavra Predileta de Paulo

A todos os que em Roma são amados de Deus e chamados para serem santos: A vocês, graça e paz da parte de Deus nosso Pai e do Senhor Jesus Cristo. Romanos 1:7

O apóstolo Paulo amava a palavra “graça”. Suas cartas geralmente começavam da mesma maneira que a Epístola aos Romanos: “A vocês, graça e paz da parte de Deus nosso Pai e do Senhor Jesus Cristo” (Rm 1:7). Para concluir as cartas, quase sempre escolhia palavras semelhantes, como as usadas para encerrar a epístola aos Coríntios: “A graça do Senhor Jesus seja com vocês” (1Co 16:23; ver 2Co 13:14; Gl 6:18; Ef 6:24; Fp 4:23; Cl 4:18; 1Ts 5:28; etc.).

Na verdade, Paulo se referiu à graça aproximadamente 100 vezes, muito mais do que qualquer outro escritor do Novo Testamento.
Por quê? Certamente porque Paulo mantinha sempre em mente o poder salvador de Deus em sua vida. Todo pecado é horrível, mas o de Paulo tinha uma característica que o separou da experiência dos primeiros cristãos. Paulo, antes conhecido como Saulo, perseguiu terrivelmente a igreja primitiva. Tomado pelo profundo desejo de zelar por aquilo que cria ser a verdade, canalizou todas as suas energias para aniquilar os odiados seguidores do Caminho. Invadiu a casa dos cristãos e arrastou homens e mulheres para a prisão.

Não satisfeito em combater o movimento em Jerusalém e nas áreas circunvizinhas, Paulo solicitou cartas de autorização ao sumo sacerdote para que pudesse atuar também em Damasco. As palavras de Lucas no livro de Atos nos ajudam a ter uma ideia do que se passava em seu coração: “Enquanto isso, Saulo ainda respirava ameaças de morte contra os discípulos do Senhor” (At 9:1).

A reputação de Saulo se espalhou rapidamente. Mesmo Ananias, discípulo fiel a quem Deus ordenou que fosse se encontrar com Saulo, relutou em encontrar-se com ele e atendê-lo em sua cegueira (v. 13).

Paulo nunca se esqueceu de onde foi resgatado. Chamou a si mesmo de o pior dos pecadores (1Tm 1:15) e “o menor dos apóstolos”, alguém indigno de ser chamado apóstolo por ter perseguido a igreja de Deus (1Co 15:9).

Mas Paulo também pôde escrever: “Mas, pela graça de Deus, sou o que sou, e Sua graça para comigo não foi inútil; antes, trabalhei mais do que todos eles; contudo, não eu, mas a graça de Deus comigo” (v. 10).

A graça fez a diferença para Paulo – em sua vida e em seu trabalho. Não é de admirar que essa tenha sido a sua palavra predileta.
Fonte: Rede Maranata

A Palavra Predileta de Paulo

A todos os que em Roma são amados de Deus e chamados para serem santos: A vocês, graça e paz da parte de Deus nosso Pai e do Senhor Jesus Cristo. Romanos 1:7

O apóstolo Paulo amava a palavra “graça”. Suas cartas geralmente começavam da mesma maneira que a Epístola aos Romanos: “A vocês, graça e paz da parte de Deus nosso Pai e do Senhor Jesus Cristo” (Rm 1:7). Para concluir as cartas, quase sempre escolhia palavras semelhantes, como as usadas para encerrar a epístola aos Coríntios: “A graça do Senhor Jesus seja com vocês” (1Co 16:23; ver 2Co 13:14; Gl 6:18; Ef 6:24; Fp 4:23; Cl 4:18; 1Ts 5:28; etc.).

Na verdade, Paulo se referiu à graça aproximadamente 100 vezes, muito mais do que qualquer outro escritor do Novo Testamento.
Por quê? Certamente porque Paulo mantinha sempre em mente o poder salvador de Deus em sua vida. Todo pecado é horrível, mas o de Paulo tinha uma característica que o separou da experiência dos primeiros cristãos. Paulo, antes conhecido como Saulo, perseguiu terrivelmente a igreja primitiva. Tomado pelo profundo desejo de zelar por aquilo que cria ser a verdade, canalizou todas as suas energias para aniquilar os odiados seguidores do Caminho. Invadiu a casa dos cristãos e arrastou homens e mulheres para a prisão.

Não satisfeito em combater o movimento em Jerusalém e nas áreas circunvizinhas, Paulo solicitou cartas de autorização ao sumo sacerdote para que pudesse atuar também em Damasco. As palavras de Lucas no livro de Atos nos ajudam a ter uma ideia do que se passava em seu coração: “Enquanto isso, Saulo ainda respirava ameaças de morte contra os discípulos do Senhor” (At 9:1).

A reputação de Saulo se espalhou rapidamente. Mesmo Ananias, discípulo fiel a quem Deus ordenou que fosse se encontrar com Saulo, relutou em encontrar-se com ele e atendê-lo em sua cegueira (v. 13).

Paulo nunca se esqueceu de onde foi resgatado. Chamou a si mesmo de o pior dos pecadores (1Tm 1:15) e “o menor dos apóstolos”, alguém indigno de ser chamado apóstolo por ter perseguido a igreja de Deus (1Co 15:9).

Mas Paulo também pôde escrever: “Mas, pela graça de Deus, sou o que sou, e Sua graça para comigo não foi inútil; antes, trabalhei mais do que todos eles; contudo, não eu, mas a graça de Deus comigo” (v. 10).

A graça fez a diferença para Paulo – em sua vida e em seu trabalho. Não é de admirar que essa tenha sido a sua palavra predileta.
Fonte: Rede Maranata

A Atmosfera da Graça

Como se fossem uma nuvem, varri para longe suas ofensas; como se fossem a neblina da manhã, os seus pecados. Volte para Mim, pois Eu o resgatei. Isaías 44:22.

Sou uma pessoa da manhã. Geralmente você me encontrará acordado antes do amanhecer, passando momentos preciosos no silêncio da madrugada com a Palavra e com o Senhor da Palavra, e em seguida me dirigindo para caminhar num parque próximo à minha casa. Muitas vezes, Noelene me acompanha. Caminhamos juntos e conversamos com o Senhor.

Nos meses frios de inverno percorro o circuito de quase cinco quilômetros antes do alvorecer. Mesmo nas madrugadas desprovidas de luar, as estrelas proveem luz suficiente. Elas brilham no céu limpo.

Essa é uma maneira maravilhosa de começar o dia. Amo o silêncio, a paz. Amo a sensação dos músculos descansados sendo alongados. Amo o encontro ocasional com um animalzinho ou um pássaro azul. Acima de tudo, amo o ar fresco e puro da manhã.

Durante essas caminhadas, as palavras de Ellen White sobre a graça veem à minha mente: “No dom incomparável de Seu Filho, Deus envolveu o mundo todo numa atmosfera de graça, tão real como o ar que circula ao redor do globo. Todos os que respirarem esta atmosfera vivificante hão de viver e crescer até à estatura completa de homens e mulheres em Cristo Jesus” (Caminho a Cristo, p. 68).

Que pensamento maravilhoso – a atmosfera da graça! O amor de Deus nos envolve da cabeça aos pés, de um lado ao outro, por cima e por baixo. Não temos que tentar encontrar a graça – estamos na graça.

A graça sustenta o mundo. Até mesmo aqueles que não sabem de sua existência, que talvez neguem a Deus ou amaldiçoem o Seu nome, são beneficiados por ela. A atmosfera da graça continua purificando a Terra da imundície e do mau cheiro do pecado, trazendo esperança, vida e um novo começo.

Deus nos convida a respirar essa atmosfera de vida. Ele nos convida a inspirar profundamente e a relaxar nEle a fim de continuarmos respirando em graça, vivendo e crescendo à estatura de homens e mulheres em Cristo Jesus.

Assim, prezado amigo, inspire! Respire profundamente e saiba que Deus o ama, que Ele deseja conceder-lhe plenitude de vida aqui e agora e uma existência eterna em Sua presença. Saiba que, assim como o ar que sempre o envolve, você nunca será capaz de exceder as fronteiras da atmosfera da graça. Não há limites, nem divisas. Deus sempre está lá para você.
Fonte: Rede Maranata

A Atmosfera da Graça

Como se fossem uma nuvem, varri para longe suas ofensas; como se fossem a neblina da manhã, os seus pecados. Volte para Mim, pois Eu o resgatei. Isaías 44:22.

Sou uma pessoa da manhã. Geralmente você me encontrará acordado antes do amanhecer, passando momentos preciosos no silêncio da madrugada com a Palavra e com o Senhor da Palavra, e em seguida me dirigindo para caminhar num parque próximo à minha casa. Muitas vezes, Noelene me acompanha. Caminhamos juntos e conversamos com o Senhor.

Nos meses frios de inverno percorro o circuito de quase cinco quilômetros antes do alvorecer. Mesmo nas madrugadas desprovidas de luar, as estrelas proveem luz suficiente. Elas brilham no céu limpo.

Essa é uma maneira maravilhosa de começar o dia. Amo o silêncio, a paz. Amo a sensação dos músculos descansados sendo alongados. Amo o encontro ocasional com um animalzinho ou um pássaro azul. Acima de tudo, amo o ar fresco e puro da manhã.

Durante essas caminhadas, as palavras de Ellen White sobre a graça veem à minha mente: “No dom incomparável de Seu Filho, Deus envolveu o mundo todo numa atmosfera de graça, tão real como o ar que circula ao redor do globo. Todos os que respirarem esta atmosfera vivificante hão de viver e crescer até à estatura completa de homens e mulheres em Cristo Jesus” (Caminho a Cristo, p. 68).

Que pensamento maravilhoso – a atmosfera da graça! O amor de Deus nos envolve da cabeça aos pés, de um lado ao outro, por cima e por baixo. Não temos que tentar encontrar a graça – estamos na graça.

A graça sustenta o mundo. Até mesmo aqueles que não sabem de sua existência, que talvez neguem a Deus ou amaldiçoem o Seu nome, são beneficiados por ela. A atmosfera da graça continua purificando a Terra da imundície e do mau cheiro do pecado, trazendo esperança, vida e um novo começo.

Deus nos convida a respirar essa atmosfera de vida. Ele nos convida a inspirar profundamente e a relaxar nEle a fim de continuarmos respirando em graça, vivendo e crescendo à estatura de homens e mulheres em Cristo Jesus.

Assim, prezado amigo, inspire! Respire profundamente e saiba que Deus o ama, que Ele deseja conceder-lhe plenitude de vida aqui e agora e uma existência eterna em Sua presença. Saiba que, assim como o ar que sempre o envolve, você nunca será capaz de exceder as fronteiras da atmosfera da graça. Não há limites, nem divisas. Deus sempre está lá para você.
Fonte: Rede Maranata

Compreendendo

E Eliseu orou: “Senhor, abre os olhos dele para que veja”. Então o Senhor abriu os olhos do rapaz, que olhou e viu as colinas cheias de cavalos e carros de fogo ao redor de Eliseu. 2 Reis 6:17

Ela era uma senhora idosa – com mais de 80 anos, segundo informou durante nossa conversa após o culto. Havia algum tempo eu pregava sobre a graça e ela me surpreendeu ao afirmar:

– Finalmente entendi. Cresci na igreja, mas apenas nos últimos meses é que consegui entender!

– Entender o quê? – perguntei.

– Que não tenho que fazer nada para que Deus me ame. Que Ele me aceita do jeito que eu sou porque Jesus morreu por mim. Que diferença isso faz!

Essa senhora era como o jovem servo de Eliseu. O rei da Síria enviou cavalos, carros de guerra e soldados para capturar Eliseu, que por diversas vezes alertou o rei de Israel a respeito dos planos de ataque dos arameus. O exército arameu cercou a cidade de Dotã, local em que Eliseu se encontrava.

Bem cedo na manhã seguinte, o servo de Eliseu levantou e viu o exército inimigo por toda parte. “Ah, meu senhor! O que faremos?” (2Rs 6:15).

O profeta respondeu: “Não tenha medo. Aqueles que estão conosco são mais numerosos do que eles” (v. 16). Em seguida, após a oração de Eliseu, o Senhor abriu os olhos daquele jovem e ele pôde ver as hostes celestiais enviadas para protegê-los. Ele compreendeu.

Será que corremos o risco de sermos como o servo de Eliseu? Será que é possível crescer na igreja, concluir o ensino fundamental, médio ou até o ensino superior e nunca entender? Será que é possível ocuparmos o banco da igreja, devolvermos o dízimo, sermos membros ativos e não percebermos a graça que nos envolve como uma nuvem?

Sim. A experiência dessa senhora idosa revela-nos que isso é possível.

Permita-me ir um pouco além. Será que é possível ser um funcionário da igreja, até mesmo um pastor, e nunca entender?

A resposta me faz tremer: sim!

A graça não pertence a este mundo. A menos que o Senhor abra os nossos olhos, jamais a entenderemos.

Senhor, abre meus olhos para que eu possa entender!
Fonte: Rede Maranata

Compreendendo

E Eliseu orou: “Senhor, abre os olhos dele para que veja”. Então o Senhor abriu os olhos do rapaz, que olhou e viu as colinas cheias de cavalos e carros de fogo ao redor de Eliseu. 2 Reis 6:17

Ela era uma senhora idosa – com mais de 80 anos, segundo informou durante nossa conversa após o culto. Havia algum tempo eu pregava sobre a graça e ela me surpreendeu ao afirmar:

– Finalmente entendi. Cresci na igreja, mas apenas nos últimos meses é que consegui entender!

– Entender o quê? – perguntei.

– Que não tenho que fazer nada para que Deus me ame. Que Ele me aceita do jeito que eu sou porque Jesus morreu por mim. Que diferença isso faz!

Essa senhora era como o jovem servo de Eliseu. O rei da Síria enviou cavalos, carros de guerra e soldados para capturar Eliseu, que por diversas vezes alertou o rei de Israel a respeito dos planos de ataque dos arameus. O exército arameu cercou a cidade de Dotã, local em que Eliseu se encontrava.

Bem cedo na manhã seguinte, o servo de Eliseu levantou e viu o exército inimigo por toda parte. “Ah, meu senhor! O que faremos?” (2Rs 6:15).

O profeta respondeu: “Não tenha medo. Aqueles que estão conosco são mais numerosos do que eles” (v. 16). Em seguida, após a oração de Eliseu, o Senhor abriu os olhos daquele jovem e ele pôde ver as hostes celestiais enviadas para protegê-los. Ele compreendeu.

Será que corremos o risco de sermos como o servo de Eliseu? Será que é possível crescer na igreja, concluir o ensino fundamental, médio ou até o ensino superior e nunca entender? Será que é possível ocuparmos o banco da igreja, devolvermos o dízimo, sermos membros ativos e não percebermos a graça que nos envolve como uma nuvem?

Sim. A experiência dessa senhora idosa revela-nos que isso é possível.

Permita-me ir um pouco além. Será que é possível ser um funcionário da igreja, até mesmo um pastor, e nunca entender?

A resposta me faz tremer: sim!

A graça não pertence a este mundo. A menos que o Senhor abra os nossos olhos, jamais a entenderemos.

Senhor, abre meus olhos para que eu possa entender!
Fonte: Rede Maranata

Compreendendo

E Eliseu orou: “Senhor, abre os olhos dele para que veja”. Então o Senhor abriu os olhos do rapaz, que olhou e viu as colinas cheias de cavalos e carros de fogo ao redor de Eliseu. 2 Reis 6:17

Ela era uma senhora idosa – com mais de 80 anos, segundo informou durante nossa conversa após o culto. Havia algum tempo eu pregava sobre a graça e ela me surpreendeu ao afirmar:

– Finalmente entendi. Cresci na igreja, mas apenas nos últimos meses é que consegui entender!

– Entender o quê? – perguntei.

– Que não tenho que fazer nada para que Deus me ame. Que Ele me aceita do jeito que eu sou porque Jesus morreu por mim. Que diferença isso faz!

Essa senhora era como o jovem servo de Eliseu. O rei da Síria enviou cavalos, carros de guerra e soldados para capturar Eliseu, que por diversas vezes alertou o rei de Israel a respeito dos planos de ataque dos arameus. O exército arameu cercou a cidade de Dotã, local em que Eliseu se encontrava.

Bem cedo na manhã seguinte, o servo de Eliseu levantou e viu o exército inimigo por toda parte. “Ah, meu senhor! O que faremos?” (2Rs 6:15).

O profeta respondeu: “Não tenha medo. Aqueles que estão conosco são mais numerosos do que eles” (v. 16). Em seguida, após a oração de Eliseu, o Senhor abriu os olhos daquele jovem e ele pôde ver as hostes celestiais enviadas para protegê-los. Ele compreendeu.

Será que corremos o risco de sermos como o servo de Eliseu? Será que é possível crescer na igreja, concluir o ensino fundamental, médio ou até o ensino superior e nunca entender? Será que é possível ocuparmos o banco da igreja, devolvermos o dízimo, sermos membros ativos e não percebermos a graça que nos envolve como uma nuvem?

Sim. A experiência dessa senhora idosa revela-nos que isso é possível.

Permita-me ir um pouco além. Será que é possível ser um funcionário da igreja, até mesmo um pastor, e nunca entender?

A resposta me faz tremer: sim!

A graça não pertence a este mundo. A menos que o Senhor abra os nossos olhos, jamais a entenderemos.

Senhor, abre meus olhos para que eu possa entender!
Fonte: Rede Maranata

Jesus

Jesus fez também muitas outras coisas. Se cada uma delas fosse escrita, penso que nem mesmo no mundo inteiro haveria espaço suficiente para os livros que seriam escritos. João 21:25

De todos os nomes dados aos homens desde o alvorecer dos tempos, um permanece isolado, solitário, inalterável. Apesar de hoje muitos seres humanos tomarem esse nome em vão, um dia todo joelho no Céu e na Terra se dobrará perante Aquele que carrega esse nome e toda boca declarará que Ele é o Rei dos reis e o Senhor dos senhores. Esse nome é a palavra mais doce que pode ser proferida pelos lábios de uma criança; ele nos sustenta e nos conforta ao longo da vida; ele será a nossa segurança ao embarcarmos na jornada final desta vida.

Jesus! Todas as nossas esperanças para este mundo e para o próximo centralizam-se nEle. As maiores alegrias, as aspirações mais elevadas, as motivações mais puras proveem dEle. Todos os outros nomes passarão; o dEle, jamais.

Como ministro do evangelho, levei muito tempo para entender que a única pregação que realmente importa é aquela em que Jesus ocupa o primeiro lugar, o último e o centro. Como autor de literatura cristã, levei muito tempo para entender que o único assunto que realmente importa é Jesus, cheio de graça.

Assim, há algum tempo tenho tentado escrever e pregar a respeito da graça. Na verdade, pregar sobre Jesus, pois Ele é a personificação da graça. Meus esforços são defeituosos e profundamente inadequados se comparados à grandiosidade desse tema. Cada vez mais descubro que, apesar de minhas falhas, uma bênção sempre acompanha a mensagem. Sempre.

Por isso, tenho plena certeza de que você encontrará uma bênção na leitura destas mensagens. Não por causa de minhas habilidades como autor, mas por causa do tema. A menos que eu atrapalhe, a graça de Jesus fluirá por estas páginas animando e transformando corações e vidas.

Temos um ano inteiro pela frente para ler sobre o tema, e estou empolgado; mal posso esperar para começar. Porém, ao fim dos 366 dias teremos apenas iniciado esse maravilhoso estudo. É como se com uma colher de chá tivéssemos tentado retirar as bênçãos do vasto oceano da graça. Nem todos os livros do mundo seriam suficientes para esgotar esse assunto.

Jesus é maravilhoso. Ele é o Homem de encantos inigualáveis. Ele é nosso Amigo, nosso Salvador, nosso Senhor. Ele é a fonte da graça.
Fonte: Rede Maranata

Jesus

Jesus fez também muitas outras coisas. Se cada uma delas fosse escrita, penso que nem mesmo no mundo inteiro haveria espaço suficiente para os livros que seriam escritos. João 21:25

De todos os nomes dados aos homens desde o alvorecer dos tempos, um permanece isolado, solitário, inalterável. Apesar de hoje muitos seres humanos tomarem esse nome em vão, um dia todo joelho no Céu e na Terra se dobrará perante Aquele que carrega esse nome e toda boca declarará que Ele é o Rei dos reis e o Senhor dos senhores. Esse nome é a palavra mais doce que pode ser proferida pelos lábios de uma criança; ele nos sustenta e nos conforta ao longo da vida; ele será a nossa segurança ao embarcarmos na jornada final desta vida.

Jesus! Todas as nossas esperanças para este mundo e para o próximo centralizam-se nEle. As maiores alegrias, as aspirações mais elevadas, as motivações mais puras proveem dEle. Todos os outros nomes passarão; o dEle, jamais.

Como ministro do evangelho, levei muito tempo para entender que a única pregação que realmente importa é aquela em que Jesus ocupa o primeiro lugar, o último e o centro. Como autor de literatura cristã, levei muito tempo para entender que o único assunto que realmente importa é Jesus, cheio de graça.

Assim, há algum tempo tenho tentado escrever e pregar a respeito da graça. Na verdade, pregar sobre Jesus, pois Ele é a personificação da graça. Meus esforços são defeituosos e profundamente inadequados se comparados à grandiosidade desse tema. Cada vez mais descubro que, apesar de minhas falhas, uma bênção sempre acompanha a mensagem. Sempre.

Por isso, tenho plena certeza de que você encontrará uma bênção na leitura destas mensagens. Não por causa de minhas habilidades como autor, mas por causa do tema. A menos que eu atrapalhe, a graça de Jesus fluirá por estas páginas animando e transformando corações e vidas.

Temos um ano inteiro pela frente para ler sobre o tema, e estou empolgado; mal posso esperar para começar. Porém, ao fim dos 366 dias teremos apenas iniciado esse maravilhoso estudo. É como se com uma colher de chá tivéssemos tentado retirar as bênçãos do vasto oceano da graça. Nem todos os livros do mundo seriam suficientes para esgotar esse assunto.

Jesus é maravilhoso. Ele é o Homem de encantos inigualáveis. Ele é nosso Amigo, nosso Salvador, nosso Senhor. Ele é a fonte da graça.
Fonte: Rede Maranata